Sejam bem vindos!

Um dos requisitos necessários ao professor da atualidade é manter-se atualizado em sua área, inovar sempre e demonstrar criatividade e disposição para modificar e melhorar a sua prática pedagógica.

Portanto, este blog foi criado para auxiliar nesta tarefa, contribuindo para a troca de experiências, com novas ideias, sugestões, textos teóricos, mensagens reflexivas, vídeos e muito mais.

Espero que todos apreciem, dê a sua sugestão do que gostaria de ver postado aqui e deixe o seu recado, ficarei muito satisfeita em atender as solicitações sempre que possível.

Bom passeio a todos!



domingo, 17 de abril de 2011

A lenda do Uakti de Robson A Santos.

Existem diversos instrumentos musicais que alegram nossos ouvidos com seus belos sons. A lenda a seguir conta como os índios começaram a confeccionar flautas para seus rituais e festas.

Conta-se que após esperar dez luas, uma índia da tribo Tukano, que fica às margens do rio Tiquié, lá no Amazonas, deu à luz um menino índio bem diferente. Ele tinha o corpo cheio de furos e foi batizado de Uakti.

Uakti, por ser diferente dos outros indiozinhos, cresceu isolado e sem amigos. Sua diversão era correr pelas trilhas da floresta amazônica e brincar com os animais que encontrava pelo caminho.

O tempo foi passando e Uakti cresceu e se tornou um homem grande. Alguns dizem que ele era um índio enorme, outros que ele era um monstro estranho com o corpo furado.

Quando Uakti cresceu, algo muito diferente começou a acontecer – conforme corria pela mata, o vento passava pelos buracos de seu corpo, produzindo sons melodiosos, incomuns e encantadores, como contavam os membros da tribo.

Com estes sons, Uakti, mesmo sem querer, encantava todas as mulheres da aldeia, algumas diziam-se apaixonadas por ele e se derretiam todas quando ouviam o som produzido por seu corpo.

Os homens da aldeia, enciumados, começaram a espalhar que Uakti era um ser muito perigoso e que seus sons eram medonhos, tristes, assustadores, melancólicos e faziam mal a quem os escutasse.

Mas de nada adiantava os homens espalharem essas histórias, pois as mulheres continuavam maravilhadas com os sons que ouviam quando Uakti corria pela floresta.

Vendo que as mulheres não mudavam de ideia, os homens decidiram matar Uakti e, para isso, o perseguiram por muitas luas, com arcos e flechas. A caçada foi muito dura até que um dia conseguiram encurralá-lo. Mataram o pobre rapaz com flechadas, e enterraram seu corpo na mata fechada, longe da aldeia.

Depois de três dias, um caçador passou pelo local e viu que ali, onde haviam enterrado o índio, havia nascido três grandes palmeiras. Intrigado, chamou os outros caçadores, que perceberam que Uakti era abençoado e não uma maldição, caso contrário aquelas árvores não teriam nascido tão rapidamente.

Assim, os homens da tribo Tukano passaram a fazer suas flautas, usadas nos rituais e festas, com pedaços daquelas palmeiras, nascidas do corpo do índio. Eles achavam que, dessa forma, conseguiriam conquistar as mulheres da aldeia, pois os sons emitidos pelas flautas feitas das palmeiras eram semelhantes aos emitidos pelo corpo de Uakti.

2 comentários: