Sejam bem vindos!

Um dos requisitos necessários ao professor da atualidade é manter-se atualizado em sua área, inovar sempre e demonstrar criatividade e disposição para modificar e melhorar a sua prática pedagógica.

Portanto, este blog foi criado para auxiliar nesta tarefa, contribuindo para a troca de experiências, com novas ideias, sugestões, textos teóricos, mensagens reflexivas, vídeos e muito mais.

Espero que todos apreciem, dê a sua sugestão do que gostaria de ver postado aqui e deixe o seu recado, ficarei muito satisfeita em atender as solicitações sempre que possível.

Bom passeio a todos!



sexta-feira, 30 de maio de 2014

Descobrindo os saberes das crianças de 2 e 3 anos

Descobrindo os saberes das crianças de 2 e 3 anos


   Para fazer o diagnóstico das crianças de 2 anos, Leninha Ruiz sugere que se planeje atividades para realizar em sala, no parque, no pátio e no tanque de areia. Numa escola que estou assessorando, todas as turmas de 2 anos e algumas de 3 anos são exclusivamente de crianças que estão vindo pela primeira vez a escola. Por isso, sabemos que o tempo de adaptação será mais longo e que os saberes e competências dos pequenos são bem díspares, já que as vivências familiares são muito particulares. Algumas crianças, por exemplo, já são bem autônomas, enquanto outras são tratadas como bebês; uns já falam com clareza, enquanto outros só fazem gestos e utilizam chupeta o tempo todo. 
   Toda essa diversidade gera a necessidade de se refletir e discutir coletivamente com os professores sobre o diagnóstico dos saberes de forma bem diferente da maneira com que costumo fazer com os professores das turmas de 4 e 5 anos. 

  Quais são as atividades das primeiras semanas? 

   No início do ano letivo, planejo com os professores as três primeiras semanas com várias atividades de imersão à rotina escolar. Nesse período, há vários momentos no tanque de areia, no parque, brincadeiras no pátio com bolas, bexigas, caixas com sucatas, bolinhas de sabão e com água (nesse caso, as crianças ficam só de shorts e brincam com bacias, vasilhames, bonecos e bichinhos de plástico), circuitos com bambolês e colchonetes. Além disso, planejamos momentos para desenho e pintura coletiva.
   Nessa hora, o foco do professor é, prioritariamente, conquistar os pequenos e ensiná-los como funcionam os diferentes momentos na escola. Enquanto essas atividades aconteciam, nós, coordenadores e professores, já tínhamos em mente como seria o diagnóstico dos saberes das crianças. Abaixo, compartilho com vocês o que pensamos. 

  Diagnóstico na turma de 2 anos 

   Nessas turmas, os professores planejaram utilizar uma prancheta para fixar duas pautas de observação no período de aula, a partir da quarta semana e durante uma semana. Os aspectos elencados foram os seguintes: Oralidade, Comunicação e expressão de desejos e necessidades. Participação na cantoria de músicas e nas brincadeiras que envolvem o falar. Movimento. Participação em brincadeiras que envolvam diferentes deslocamentos e movimentos. 
   A prancheta está em um local de fácil acesso durante o período de aula. Assim, os educadores podem registrar tudo o que julgarem necessário sempre que quiserem. Para esse período, planejamos muitas atividades para realizar em sala, no parque, no pátio e no tanque de areia que propiciassem a observação desses aspectos. A intenção é particularizar bem cada criança, anotando tudo o que elas fazem na pauta de observação. 

   Diagnóstico na turma de 3 anos

   Já com as crianças da turma de 3 anos, definimos algumas atividades específicas para diagnosticar o que sabem e o que precisam aprender no eixo de oralidade e os aspectos relacionados à identidade e autonomia. 
   Ambos estão previstos no âmbito Conhecimento de Mundo e Formação Pessoal e Social, respectivamente, do Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil que utilizamos para elaborar as expectativas de aprendizagem. 
   As atividades estão planejadas para a terceira semana de aula. No entanto, esse período poderá variar dependendo da classe – algumas têm mais crianças que nunca frequentaram a escola ou que o professor é novato nesse nível – ou de outros fatores que influenciam a adaptação dos pequenos, como a insegurança de familiares ou até a interferência deles na rotina, já que alguns permanecem por muito tempo com a criança. 

   O que fazer com o resultado dos diagnósticos? 

   Bem, depois de saber quais são os saberes de cada criança, fazemos uma reunião, somente com os professores do nível, para discutirmos qual é o perfil da turma. Nesse encontro, elencamos quais serão os conteúdos prioritários para ela. Ao longo do ano, os professores planejarão juntos a rotina da classe – geralmente, o que altera de uma turma para outra é o encaminhamento das atividades e a quantidade de repetição delas. Quando as atividades são bem planejadas (leia-se, quando tem clareza dos conteúdos e boa gestão da turma), rapidamente os pequenos avançam! Aí, então, introduzimos as sequências e projetos elaborados para cada nível.   

Autora: Leninha Ruiz 

Fonte: http://gestaoescolar.abril.com.br/blogs/coordenadoras/2013/02/12/como-ajudar-o-professor-a-fazer-o-diagnostico-do-que-as-criancas-ja-sabem-e-o-que-precisam-aprender/. 

Acesso em: 10/03/2014.

Mensagem: O Laço e o Abraço

O Laço e o Abraço

Meu Deus!!! Como é engraçado!...
Eu nunca tinha reparado como é curioso um laço...
Uma fita dando voltas? Se enrosca...
Mas não se embola , vira, revira, circula e pronto: está dado o abraço.
É assim que é o abraço: coração com coração, tudo isso cercado de braço.
É assim que é o laço: um abraço no presente, no cabelo, no vestido, em qualquer coisa onde o faço.
E quando puxo uma ponta, o que é que acontece? Vai escorregando
devagarinho, desmancha, desfaz o abraço.
Solta o presente, o cabelo, fica solto no vestido.
E na fita que curioso, não faltou nem um pedaço.
Ah! Então é assim o amor, a amizade. Tudo que é sentimento? Como um pedaço de fita?
Enrosca, segura um pouquinho, mas pode se desfazer a qualquer hora, deixando livre as duas bandas do laço.
Por isso é que se diz: laço afetivo, laço de amizade.
E quando alguém briga, então se diz - romperam-se os laços.-
E saem as duas partes, igual meus pedaços de fita, sem perder nenhum pedaço.
Então o amor é isso...
Não prende, não escraviza, não aperta, não sufoca.
Porque quando vira nó, já deixou de ser um laço.



Mensagem para professores

ADOTE UM ADULTO

Adote um adulto e ensine a ele coisas que ele já esqueceu.
Você pode adotar seu pai, mãe, tio, um amigo virtual, marido, namorado...
O importante é encontrar alguém que precise ser adotado, precise voltar a ser criança.

COMO ESCOLHER?
Humm! É fácil reconhecer os adultos que mais precisam ser adotados:
Eles costumam ser:
Ranzinzas, mal-humorados e cheios de coisas para fazer.
São sérios demais, vivem reclamando do que fazem,
Não gostam de barulho, de música ou de coisas inesperadas.
Odeiam surpresas e geralmente não gostam de comer doces ou andar descalços.
Aposto que conhecemos muitos assim...

                                                                   O QUE FAZER?
Depois que tiver escolhido, chegue perto,
De mansinho e, com muita paciência,
Vá ensinando a ele como ser criança outra vez.
Faça um lindo desenho e dê a ele de presente.
Ensine-o a fazer as nuvens crescerem (na imaginação),
Aprender a gostar de carinho
(comece com 1, 2, 3 beijinhos, beijo é bom!),
a acreditar em anjos, dragões
(conte-lhes uma história aonde ele será o herói e matará o dragão feroz que existe dentro dele),
A chupar pedrinha de gelo,
A olhar o céu, só por um momento...
O importante será não desistir...
E lembre-se, o que é fácil para nós,
Pode ser difícil para eles.
Muitos esqueceram a criança que existe dentro de cada um...

Autor Desconhecido.

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Vídeo: Avaliação na Educação Infantil

   Este vídeo é ótimo para ser utilizado em reuniões com os professores, pois esclarece vários aspectos sobre a avaliação na educação infantil.


Avaliação na Educação Infantil

   Avaliar faz parte do ato educativo. Avalia-se para diagnosticar avanços e dificuldades, para intervir, agir, problematizar, interferir e redefinir os caminhos a serem percorridos. 
   A avaliação deve ser vista como um processo emancipatório, que dê espaço a criatividade, autonomia e criticidade. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional n.º 9394/96 aponta em seu artigo 31 que: “Na educação infantil a avaliação far-se-á mediante acompanhamento e registro do seu desenvolvimento, sem o objetivo de promoção, mesmo para o acesso ao ensino fundamental”. 
   Já as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil (BRASIL, 2010, p. 29) destaca que os Centros de Educação Infantil:

"Devem criar procedimentos para acompanhamento do trabalho pedagógico e para avaliação do desenvolvimento das crianças, sem objetivo de seleção, promoção ou classificação, garantindo: 
• A observação crítica e criativa das atividades, das brincadeiras e interações das crianças no cotidiano; 
• Utilização de múltiplos registros realizados por adultos e crianças (relatórios, fotografias, desenhos, álbuns, etc.); 
• A continuidade dos processos de aprendizagens por meio da criação de estratégias adequadas aos diferentes momentos de transição vividos pela criança (transição casa/instituição de Educação Infantil, transições no interior da instituição, transição creche/pré-escola e transição pré-escola/Ensino Fundamental); 
• Documentação específica que permita às famílias conhecer o trabalho da instituição junto às crianças e os processos de desenvolvimento e aprendizagem da criança na Educação Infantil; 
• A não retenção das crianças na Educação Infantil".

   Na Educação Infantil a avaliação deve ser processual e incidir sobre todo o contexto de aprendizagem: as atividades propostas e o modo como foram realizadas, as instruções e os apoios oferecidos às crianças individualmente e ao coletivo de crianças, a forma como o professor respondeu às manifestações e às interações das crianças, os agrupamentos que as crianças formaram, o material oferecido e o espaço e o tempo garantidos para a realização das atividades. 
   Conhecer as preferências das crianças, a forma delas participarem nas atividades, seus parceiros prediletos para a realização de diferentes tipos de tarefas, suas narrativas, e outros pontos pode ajudar o professor a reorganizar as atividades de modo mais adequado ao alcance dos propósitos infantis e das aprendizagens coletivamente trabalhadas. Ele poderá então fortalecer ou modificar a situação, de modo a efetivar o projeto político pedagógico da instituição. 
   Desse modo faz-se necessário que os professores criem diferentes estratégias para acompanhar as realizações das crianças em meio ao contexto de experiências que lhe é oferecido diariamente. A partir dos dados contidos nos registros diários, o professor elabora os registros avaliativos. 
   O registro avaliativo tem a finalidade de informar os avanços das crianças em suas aprendizagens, a maneira como se envolveram com as experiências desenvolvidas, como enfrentaram os desafios propostos e a qualidade das relações que estabeleceram com o grupo. 
   O registro avaliativo pode ser composto por três partes, conforme destacado abaixo: 
    Perfil da turma: Neste item será feito o perfil da turma, constando quantas crianças frequentam este grupo, quantos são meninos e meninas, como foi o período de acolhimento caso seja a avaliação do primeiro semestre, quais os momentos e atividades mais significativos para o grupo, como as crianças brincam, como brincam, como se socializam, o que gostam de fazer, etc.
    Destacar quais foram às propostas pedagógicas e projetos apresentados no semestre. Pode-se inserir algumas fotos das atividades mais significativas realizadas no grupo; 
    Aprendizagem e desenvolvimento da criança: Descrever as aprendizagens conquistadas pela criança, relacionando-as com os dois tópicos anteriores. Pode-se colocar fotos das atividades realizadas individualmente, que demonstrem as aprendizagens adquiridas. 
   É importante frisar que o professor ao avaliar, não deve fazer comparações de uma criança com outra, mas sim da criança com ela mesma, o quanto ela evoluiu e onde ela precisa de ajuda, observá-la individualmente e dentro da equipe, a sua participação e iniciativa, interação e respeito, avanços e reciprocidades. 

   - Pontos a serem observados na elaboração dos registros avaliativos: 
    Ter o máximo de cuidado com os erros ortográficos e de concordância; 
    Evitar termos muito técnicos; 
    Focar nas experiências das crianças e não em textos teóricos; 
    A informação aos pais é da professora, podendo conter as falas das crianças.