Sejam bem vindos!

Um dos requisitos necessários ao professor da atualidade é manter-se atualizado em sua área, inovar sempre e demonstrar criatividade e disposição para modificar e melhorar a sua prática pedagógica.

Portanto, este blog foi criado para auxiliar nesta tarefa, contribuindo para a troca de experiências, com novas ideias, sugestões, textos teóricos, mensagens reflexivas, vídeos e muito mais.

Espero que todos apreciem, dê a sua sugestão do que gostaria de ver postado aqui e deixe o seu recado, ficarei muito satisfeita em atender as solicitações sempre que possível.

Bom passeio a todos!



sábado, 9 de abril de 2011

A lenda da mandioca de Robson A. Santos.


        Quando Cabral chegou ao Brasil, encontrou muitas pessoas e as chamou de índios. Estes, devido aos processos de colonização, foram perdendo suas terras e suas origens, mas contribuíram muito para a formação de alguns hábitos do povo brasileiro, como tomar banho, por exemplo.
        Os índios contavam muitas histórias sobre a origem das coisas e entre elas está a “Lenda da Mandioca”.
        Certa vez, em uma tribo, a filha de um poderoso tuxaua (o chefe) apareceu grávida. Envergonhado, ele expulsou a filha da tribo, condenando-a a viver numa choça na beira do mato. Com dó, os amigos levavam comida e água para ela, que viveu sozinha até dar à luz a uma menina muito branca de pele alva como leite. O chefe, ao ver aquilo, disse que mataria a menina, pois sua cor era sinal de que Tupã não estava feliz. À noite, o tuxaua sonhou com um grande guerreiro branco que disse que sua filha era inocente, que a menina devia viver e o ameaçou com um castigo terrível se ele matasse a própria neta.
        No dia seguinte, ainda atordoado com o sonho, o tuxaua disse que não mataria a menina, que recebeu o nome de Mani e era muito inteligente. Infelizmente, Mani morreu antes de completar um ano, sem nem mesmo adoecer. Foi uma tristeza muito grande e Tupã mandou enterrar o corpo da menina dentro da oca do tuxaua. Assim fizeram, e todos os dias os índios regavam a sepultura, seguindo um antigo costume daquela tribo.
        Passado algum tempo, sobre a cova de Mani nasceu uma planta verde desconhecida, cujas folhas pareciam uma pequena mão. Quando os pássaros a comiam, ficavam embriagados.
        Um dia, a terra rachou ao pé da planta e surgiram raízes de cor marrom. Os índios a colheram, tiraram sua casca e tiveram uma surpresa. Dentro havia uma raiz branca como o corpo de Mani.
        Achando que era um milagre de Tupã, comeram as raízes e prepararam uma bebida chamada Cauim. Os índios passaram a cultivar a tal planta que batizaram de Mandioca ou Manioca, que significa “corpo de Mani”. “Mani” lembra a menina e “oca”, o local onde foi enterrada.

Atividade: Bolo de mandioca.

Ingredientes:
·       1 e ½ quilo de mandioca ralada.
·       4 ovos.
·       2 xícaras de açúcar.
·       200 gramas de margarina (mais ou menos 4 colheres).
·       2 xícaras de farinha de trigo.
·       1 colher de fermento em pó (químico).
·       1 vidro de leite de coco.
·       1 lata de leite condensado.

Modo de preparo:
        Rale a mandioca crua ou triture-a no processador. À parte, bata os ovos com o açúcar e a margarina até ficar homogêneo. Misture a massa da mandioca e continue batendo, acrescentando o leite condensado, a farinha, aos poucos o fermento e, por último, o leite de coco. Asse em uma forma de furo central, untada e enfarinhada, por cerca de 25 minutos ou até que, enfiando um palito de dentes ele saia seco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário