Sejam bem vindos!

Um dos requisitos necessários ao professor da atualidade é manter-se atualizado em sua área, inovar sempre e demonstrar criatividade e disposição para modificar e melhorar a sua prática pedagógica.

Portanto, este blog foi criado para auxiliar nesta tarefa, contribuindo para a troca de experiências, com novas ideias, sugestões, textos teóricos, mensagens reflexivas, vídeos e muito mais.

Espero que todos apreciem, dê a sua sugestão do que gostaria de ver postado aqui e deixe o seu recado, ficarei muito satisfeita em atender as solicitações sempre que possível.

Bom passeio a todos!



quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Brincadeiras e interações nas práticas pedagógicas e nas experiências infantis - Parte 4 - A brincadeira e o conhecimento do mundo matemático



    Contextos significativos possibilitam experiências ricas para as crianças no conhecimento do mundo social, matemático, artístico, etc. Na educação infantil, essas experiências ocorrem nas brincadeiras.
    Como experimentar contextos significativos que favoreçam a sua imersão no mundo matemático?

* Os bebês experimentam a imersão no mundo matemático usando o seu próprio corpo, movimentando-se no espaço, subindo, descendo, entrando e saindo de caixas, túneis ou buracos. Brincando de rolar sobre rolos de espuma, subindo em estruturas preparadas para criar desafios, brincando de esconder e achar objetos, olhando de cima ou de baixo, deitado, sentado ou de pé, apalpando objetos, encaixando peças, balbuciando sons ao ritmo de melodias, o bebê está explorando a geometria dos objetos, o espaço físico, os sons e mergulhando no mundo matemático.
* A entrada no mundo da matemática ocorre quando a professora sabe como encaminhar a criança para brincadeiras em que se vai descobrindo o significado dos números. O bebê ingressa no mundo matemático pelo uso do corpo no espaço, pelas experiências que realiza com os objetos. Crianças maiores já vão medindo a sala com cabo de vassoura, de braços abertos ou com as palmas da mão, fazendo marcas ou números. Assim vão compreendendo o significado de tamanho e quantidade;
* Brincadeiras para pensar sobre como medir e quantificar;
* Desenhar os móveis e objetos dentro da sala;
* Brincar em diferentes posições: deitado, em cima, embaixo, do lado;
* Contar os dias, observar quantas crianças vieram e quantas faltaram, anotar no calendário diário, se há sol, chuva ou nuvens, verificar as atividades ao longo do dia;
* Classificar conjuntos de objetos com palavras como “nenhum”, “muito”, “pouco”, “bastante”.
* Criar símbolos para indicar quantidades;
* Fazer coleções de objetos de modo que elas possam compor o cotidiano, a sala, os espaços de sua casa ou da creche;
* Brincadeiras, como a dança das cadeiras, de correspondência entre a criança e a cadeira: a cada criança que sai tira-se uma cadeira;
* Boliche (de tecido, macio para os menores e mais duro, de plástico, para os maiores) ou argolas no poste, para contar os acertos;
* Brincar de medir as crianças;
* Apostar corrida para ver quem chega primeiro a um lugar marcado;
* Cantar, pular corda e recitar parlendas, trava-línguas, em ritmo rápido e lento;
* Marcar as batidas com as palmas e os pés, aumentar ou diminuir o tom de voz;
* Jogar bolas coloridas, cada cor em uma cesta;
* Pescar e anotar com marcas ou números os peixes pescados;
* Fazer compras em supermercado, pagando com “dinheiro” feito pelas crianças.

Fonte: Brincadeiras e brinquedos em creches (Manual de orientação pedagógica) elaborado por Tizuko Kishimoto e Adriana Freyberger. Brasília, 2012.

Nenhum comentário:

Postar um comentário